quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Nem tudo é mau

No último post falei que a minha pestinha é uma bebé dificil e que ás vezes apetece-me fugir.
Mas nem tudo é mau.
Há uma coisa que a minha filhota é super bestial: a comer :)
Come tudo, tudo o que lhe dermos e ainda é capaz de tentar mais alguma coisa do nosso prato.
Sei de crianças que são dificílimas para comer seja lá o que for, e o desespero dos pais para conseguirem que engulam alguma coisa.
Cada criança é uma criança. 
E a minha é chata mas é linda :D

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Ser mãe: o primeiro mês

Em conversa com uma colega que vai ser mãe pela segunda vez em breve, recordamos ambas o terror dos primeiros meses de maternidade.
Terror sim.
Ser mãe é maravilhoso, é literalmente um sonho concretizado para mim, mas isso não invalida o pânico inicial que vivi.

A minha filha nasceu já uma bebé muito dificil. Basicamente chorava dia e noite, aparentemente por causa das cólicas. Tentamos todas as gotas existentes no mercado anti cólicas e posso dizer, que no caso da minha bebé nenhuma resultou. A fase das cólicas só acalmou quando introduzimos as sopas. parece que foi milagre e é algo que nos lembramos como o que não repetir num próximo filho: não vale a pena entupirmos a criança de gotas porque não resulta.

Não dorme sozinha desde que nasceu. 
Sabem aquele berço que temos no hospital ao nosso lado para o bebé dormir? O meu devia ter picos, porque a minha filha gritava desalmadamente sempre que eu a punha lá. A pestinha ficava muito bem no meu colo. Era mágico, assim que sentia que eu a pegava ao colo, parava imediatamente o choro.
Até as enfermeiras diziam: "Mamã já sabemos quem está a chorar, nós já conhecemos o choro da sua filha.!" Dia e noite! 
A expectativa de um bebézinho fofinho, calmo, a dormir com os anjinhos foi-se. 

E ir para casa?
O terror, o pânico, e agora? Como é que eu vou sobreviver a isto? 
Foi a nossa primeira filha e tudo para nós era novo. No Hospital estava sempre com a campainha na mão, à espera das benditas enfermeiras que com toda a calma e paciência do mundo me asseguravam que estava tudo bem, que eu ia fazer tudo bem, para não ter medo. Todos os pais têm dúvidas, é normal, blá, blá, blá.

Isto para dizer que, em conversa com a minha colega, descobri que me lembro muito pouco do primeiro mês da minha filha.
Acho que a minha mente bloqueou, o meu corpo funcionou em modo automático e apaguei completamente. Lembro-me vagamente de andar às aranhas com ela a tentar parar o choro, de eu própria chorar desesperada porque não sabia o que fazer e do meu marido e eu dormirmos por turnos porque simplesmente ela não dormia.

Depois melhorou, foi melhorando, mas ela continua difícil. Continua com problemas para dormir, não gosta de dormir sozinha e quando se apercebe que não estou do lado dela fica aterrorizada.

E lendo tudo isto até parece que isto de ser mãe é mau. 
Tem dias menos bons é verdade. Há dias em que me apetece fugir de tudo e de todos e fazer uma cura de sono. (Imaginar que consigo dormir umas 5h seguidas é para mim utópico :p) 
Mas caramba, ser mãe é maravilhoso. 
Adoro aquela peste chata. Adoro!

sábado, 11 de novembro de 2017

Tatuagens

Quando era mais nova queria muito fazer uma tatuagem. Até tinha pensado o que queria fazer, em que sitio e onde a faria. Mas nunca tive coragem. E hoje digo, ainda bem! Porque teria me arrependido de certeza absoluta da minha escolha.
No entanto continuo a gostar de tatuagens e acho-as lindas, principalmente quando são bem feitas e com um significado importante.

Agora que tenho a minha pestinha penso algumas vezes que gostava de fazer uma tatuagem em homenagem a ela, mas lá está, volta a falhar-me a coragem. No entanto a vontade está lá.
De vez em quando vejo algumas na net e volta o bichinho:







quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Inteligência Artificial

Fui só eu que fiquei assustada/aterrorizada com isto?

Não em especifico com este robô, que até parece uma "máquina" simpática. Mas assusta-me o avanço desmedido da tecnologia. Ela é útil; óbvio que o Homem tem o direito de procurar, criar e desenvolver tecnologia capaz de nos proporcionar uma vida melhor, mais confortável e mais criativa, mas isto para mim é demais.

O limite entre a inteligência e a burrice às vezes não é tanta assim, e acho que a robótica caso não seja utilizada com ética e sobretudo com responsabilidade é burrice.
Assusta-me que criem estas máquinas com o intuito de nos substituir em postos de trabalho. Os seres humanos são assim tão descartáveis? Já há miséria, fome e desemprego suficientes para os seres humanos que temos, vamos ainda criar condições para que existam mais?

Porque não reunir esforços no sentido de criar alternativas mais ecológicas e sustentáveis para preservarmos o nosso planeta que tanto sofre com as alterações que nós lhe provocamos?
Que tal gastar dinheiros e fortunas em descobrir curas para doenças que ainda matam aos milhares e para as não temos ainda fármacos realmente eficazes e preventivos? 

Queremos tanto o avanço tecnológico, provar que somos seres super inteligentes e geniais!
Eu acho que provamos cada vez que somos é uns palermas enquanto espécie. 
Não cuidamos de nós, do futuro dos nossos filhos, do nosso planeta, dos nossos animais...

Deus, Alá, Buda, seja lá quem for que esteja a olhar para nós, deve estar cheio de pena porque o Homem não aprendeu, não aprende e pelos vistos tão cedo não vai aprender nada :(




terça-feira, 7 de novembro de 2017

Birras

Sempre ouvi falar das terríveis birras dos 2 anos. 
Que é uma fase terrível, que os miúdos berram, esperneiam, fazem trinta por uma linha e deixam os pais com os cabelos em pé.
Cá em casa temos uma peste que ainda nem sequer um ano e meio tem, e que pelos vistos é precoce porque birras já as faz. E são tão dramáticas que me levam a pensar que se isto é assim agora, então aos 2 vai ser giro.
Basta ouvir a palavra não que começa o filme, atira-se para o chão, grita, chora, abre as goelas até não poder mais, bate com a cabeça no chão e até se trinca a si mesma.
É difícil de ver sim, eu o verdadeiro coração mole para a minha filhota, apetece-me dar-lhe e fazer-lhe tudo o que ela quer só para a ver parar aquele filme, mas não pode ser. E é isso que eu tenho que me mentalizar. Tenho que ter paciência, respirar fundo até 100 e esperar que ela se canse.
O problema é que descobri que tenho uma bebé teimosa cá em casa e com umas cordas vocais dignas de uma cantora de ópera!

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Quem mais?

...Está em pulgas para enfeitar a árvore de Natal?
Eu já não me aguento, adoro, adoro, a época natalícia  :D

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Porto :)

No fim de semana passado resolvemos aproveitar o bom tempo, que já não era suposto cá estar, e fomos dar um passeio pelo cais de Gaia com direito a viagem de teleférico desde o Jardim do Morro até ao Cais.
Foi um passeio muito giro e agradável, o Porto é lindo, cheio de turistas.
Quase que se vê mais estrangeiros nas ruas do que portugueses. E eu acho bem, acho que finalmente o Porto tem o mérito que sempre mereceu. 
Esta cidade está cada vez mais viva e vibrante e merece toda a atenção e visitas :)
As fotos são poucas porque estávamos mais atentos a nós, mas ainda assim fica o registo :)













segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Ponto Cruz

Já sei que é coisa de cota, de velha que não tem mais nada para fazer, mas eu adoro...
Adoro fazer ponto cruz. 
Tenho imensos trabalhos feitos, principalmente para bebés e de Natal.
Desde que a pestinha nasceu deixei de ter a disponibilidade de tempo que tinha para embarcar em grandes trabalhos, mas ultimamente deu-me as saudades e vou voltar ao trabalho.
Toca a bordar :)

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Resolução nº2

Fazer um bolinho mais vezes.
Sabe tão bem comer uma fatia de bolo caseiro de vez em quando. Não tem que ser todas as semanas, mas uma vez ou outra. 
E o cheirinho que fica pela casa?
:)

Nem tudo é mau

No último post falei que a minha pestinha é uma bebé dificil e que ás vezes apetece-me fugir. Mas nem tudo é mau. Há uma coisa que a mi...